Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Início do conteúdo da página

NAPNE - Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Educacionais Especiais

Publicado: Terça, 10 de Novembro de 2015, 15h28 | Última atualização em Sexta, 04 de Dezembro de 2015, 22h04 | Acessos: 2125

NAPNE

QUEM SOMOS?

 

Nossa equipe conta com:
 
Coordenador:
Prof. Dr. João Elias Vidueira Ferreira
 
Assistente de aluno:
Sra. Maria do Socorro Andrade
 
Auxiliar em Assuntos Educacionais:
Sra. Maíra Padilha
 
Bolsistas Projeto de Monitoria:
Fernando
Dilziana
Josinete
 

O QUE FAZEMOS?

- Procuramos promover a inclusão de pessoas com necessidades específicas no Campus, contribuindo com as condições adequadas para seu acesso, permanência e conclusão dos estudos;

- Procuramos estimular a cultura da inclusão, promovendo a educação para o exercício da cidadania, a convivência e o reconhecimento das diferenças, a quebra de barreiras atitudinais, educacionais e arquitetônicas;

- Estimulamos a cultura da inclusão na comunidade acadêmica e externa, de modo que o aluno, em seu percurso formativo, adquira conhecimentos técnicos e também valores sociais consistentes, que o levem a atuar na sociedade de forma consciente e comprometida;

- Elaboramos programa de atendimento aos alunos com necessidades específicas do Campus, em parceria com o Setor Psicossocial;

- acompanhamos o ensino-aprendizagem do aluno com necessidades específicas, bem como procuramos auxiliar os professores a adequarem as aulas conforme o programa definido e a especificidade do aluno a ser atendido.

COMO FAZEMOS?

- Garantindo a adequação dos espaços físicos (arquitetônicos) de acordo com a NBR 9050/ 2004 que trata da acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos;

- Realizando avaliações diagnósticas no ingresso do discente na instituição;

CONHECENDO O ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

CONHECENDO O ALUNO COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

CONHECENDO O ALUNO COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO

- Adaptando materiais em Braille e e imagens em relevo tátil;

- Promovendo cursos de extensão com temáticas voltadas para a área de inclusão.

QUEM ATENDEMOS?

- Professores;

- Discentes;

- Comunidade;

COMO ATENDEMOS?

Formulário para Solicitação de Serviços NAPNE

AÇÕES QUE DESENVOLVEMOS

Abril/2015 - IV Encontro sobre autismo de Tucuruí-PA

Maio/2015 - Palestra SIGNWRITING

Maio/2015 - 2ª Conferência Municipal da Pessoa com Deficiência

Junho/2015 -1º Seminário de Inclusão Educacional de Pessoas em situação de deficiência
Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Currículo e Formação de Professores na Perspectiva da Inclusão
Universidade Federal do Pará - UFPA
Artigo: Produção de mapas táteis para uso de alunos com deficiência visual

Junho/2015 - Curso de Extensão “BRAILLE”

Junho/2015 - Curso de Extensão: Técnicas de Cálculo com uso do Sorobã

Agosto/2015 – Palestra Direitos Humanos: UEPA Campus Salvaterra/ PA

Setembro/2015 – Congresso ABES
Artigo: Uma aula sobre determinação do ponto (jar test) ótimo de coagulação utilizando o teste do jarro (jar test) com aluno deficiente visual do curso técnico em Saneamento.
 

Setembro/2015 - Curso de Extensão – Sistema DOSVOX

Outubro/2015 – Parceria IFPA/ Universidade Feral do Rio de Janeiro (UFRJ)

Outubro/2015 - Encontro Nacional de Usuários DOSVOX – Uberlândia/MG

Outubro/2015 - Parceria com Universidade de Brasília (UNB)

Outubro/2015 - XII Congresso Nacional de Educação Curitiba/ PR

Artigo: “A produção de materiais em relevo tátil com o uso da fusora térmica para alunos com deficiência visual”


 Para as pessoas sem deficiência a tecnologia torna as coisas mais fáceis, para as pessoas com deficiência a tecnologia torna as coisas possíveis.
(RADABAUG, 1993)

 

Dezembro/2015 - Dinâmica de sensibilização em homenagem ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência

        Dia 3 de dezembro é o dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Por isso, o Núcleo de Apoio à Pessoa com Necessidades Específicas (NAPNE) e o Setor Pedagógico do Campus Tucuruí realizaram uma dinâmica de sensibilização com a comunidade acadêmica: a entrada pelas escadas foi interditada e o acesso ao Campus se deu pela rampa.
        O objetivo foi provocar a reflexão da comunidade acadêmica sobre a estrutura física da escola como um espaço inclusivo, bem como as possibilidades de interferir no espaço positivamente, sentindo-se responsável por este espaço, levando significado ao mesmo. E Desta forma, estimular a cultura inclusiva e atitudinal no Campus.
         A princípio os alunos tiveram um impacto, mas logo em seguida leram os cartazes e informativos e entenderam a proposta, mostrando-se sensibilizados. Avaliamos que a ação teve seu propósito alcançado, mas que as ações não devem parar por aqui, afinal, o processo de conscientização e sensibilização se desenvolve aos poucos.
 
Fim do conteúdo da página